• Home  /
  • Revista   /
  • A insegurança faz crescer o custo final dos produtos
A insegurança faz crescer o custo final dos produtos inseguranca_800x459 Full view

A insegurança faz crescer o custo final dos produtos

A organização do crime, associada à facilidade na receptação de carga e à impunidade e/ou penas brandas, é o fator que mais contribui para o crescimento do roubo de carga.

O roubo de carga está associado a quadrilhas altamente organizadas, que “migram do seqüestro e tráfico de drogas” para o roubo de carga. Algumas causas para o crescimento do roubo de cargas podem ser apontadas:
• Empresas coniventes recebem produtos roubados com notas fiscais esquentadas.
• A identificação de uma carga roubada é dificultada pela não-existência de um cadastro nacional que registre todos os roubos de carga ocorridos no País.
• Até recentemente, o furto, roubo ou interceptação de cargas não eram consideradas um crime federal, o que tornava a receptação mais fácil, com a repressão ocorrendo apenas na esfera estadual.
• O combate ao crime organizado depende de ações conjuntas das polícias, informações integradas, além da necessidade de especialização e treinamento específico para o combate a esta prática criminosa.

O prejuízo anual causado pelas quadrilhas que roubam carga no Brasil pode chegar a R$ 800 milhões. As estatísticas são alarmantes: o Estado de São Paulo concentra 50% dos registros policiais ocorridos no país e cerca de 20% da receita das empresas transportadoras é gasta com segurança. E com o freio na economia, o crescimento das empresas de segurança privada ficou estagnado. “O mercado acompanha a economia do país e, se não há crescimento, também não crescemos”, observa a Diretora Comercial da Alfa Serviços e Monitoramento, Alessandra Ferreira. A diretora afirma que a estagnação também aconteceu por causa do aumento das empresas e dos vigilantes clandestinos. “Para cada vigilante legal existem três irregulares, sem falar no despreparo dos clandestinos que colocam em risco a vida de muitas pessoas” – complementa Alessandra.

A situação precária da malha rodoviária pública, que tem 78% de sua extensão em condição péssima, ruim ou deficiente, segundo estudo recente da CNT, é causadora de um grande nível de insegurança nas vias rodoviárias. O resultado pode ser percebido no bolso. Todos os consumidores, e aqui não há diferença entre caminhoneiros, donos de transportadora, entre outros. Todos somos compradores nesta sociedade, ou seja, todos pagamos. Os custos causados pelo roubo de carga acabam sendo repassados para o preço final dos produtos. Cada vez que você compra um produto, já estão embutidos no preço os danos gerados pelos bandidos.

Se não fosse o roubo de cargas, seria possível transportar com mais eficácia e o custo investido em segurança seria revertido para melhoria da frota e treinamentos.

Written by Ricardo

Related Articles

Deixe seu comentário